Arquivos para William James

2016-02-09-madison-liveweb

Na tarde de ontem, quem teve a sorte de estar em casa ou ao menos de ter a possibilidade de passar 1h30 conectado à internet, pôde desfrutar do painel “The World We Make – Well Being in 2030”, encontro realizado pelo Mind and Life Institute, que ao menos anualmente aproxima cientistas de Sua Santidade o Dalai Lama. O encontro foi transmitido ao vivo, diretamente da Universidade de Wisconsin, no dia 9/março/2016 mas, até o momento em que estou escrevendo este post, infelizmente a gravação do evento não está disponível.

O que eu gostaria de registrar aqui foi a participação de Richard Davidson – neurocientista brilhante, apontado como um dos homens mais influentes do mundo pela Revista Time, que dirige o Center For Healthy Minds, na Universidade de Wisconsin.

Nesse próprio evento, Richard Davidson lembrou como o Dalai Lama, se não me engano, há mais de 20 anos direcionou a carreira dele como pesquisador perguntando se não seria possível estudar os aspectos positivos da mente (além das doenças) e como desenvolver estratégias para intensificar a saúde mental e o bem-estar. Desde então, esse tem sido o propósito de sua vida como pesquisador.

E as notícias que ele nos deu em sua fala nesse painel são excelentes: o bem-estar pode ser treinado – é uma habilidade, e não apenas algo que nos acontece ou não.

Richard Davidson apresentou ao Dalai Lama e aos demais participantes do painel o que ele chama de quatro componentes do bem-estar, identificados e estudados pela neurociência. Existem evidências de que o treinamento mental nessas habilidades pode fazer uma grande diferença na experiência bem-estar das pessoas e até mesmo criar novos circuitos neurais, remodelando as respectivas regiões do cérebro.

Esses componentes do bem-estar são:

Resiliência

A rapidez com que somos capazes de nos recuperar das adversidades. Uma maior resiliência pode resultar em menos experiências negativas e também proteger contra distúrbios mentais.

 

Perspectiva positiva

Aqui Richard Davidson citou a visão que o próprio Dalai Lama sustenta com respeito à bondade inata dos seres humanos, buscando enxergar sementes de gentileza e compaixão nas pessoas.

 

Atenção

Richard Davidson destacou aqui o estudo realizado por Dan Gilbert, da Universidade de Harvard em 2010, que demonstrou que em cerca de 47% do tempo de vigília as mentes das pessoas estão vagueando e isso está associado à experiência de infelicidade.

Os 2.250 participantes desse estudo recebiam um SMS com três perguntas:
1 – como você está se sentindo neste momento? escala de 0 a 100
2 – o que você está fazendo? lista com 22 atividades
3 – você está pensando no que está fazendo, em outras palavras, você está presente?

harvard
47% das respostas eram que estavam distraídas e estar distraída correspondia a um grau menor de bem-estar, independente da tarefa. O resultado do estudo foi “a mente humana é uma mente que vagueia e uma mente que vagueia é uma mente infeliz”.

Neste momento, Davidson também citou um trecho da obra de William James – The Principles of Psychology – que o Prof Alan Wallace também cita frequentemente:

 

A faculdade de trazer uma mente que vagueia de volta, vez após vez, é a raiz do julgamento, do caráter e da vontade. Ninguém pode ser mestre de si mesmo sem atenção. Uma educação que melhore essa faculdade deve ser considerada a educação par excellence.”

 

 

 

 

 

Generosidade

As evidências citadas aqui mostram que atos de generosidade têm um efeito duplo: trazem felicidade para quem é generoso e para quem é beneficiado.
O Dalai Lama comentou dizendo que sempre recomenda que se a pessoa quiser ser egoísta, que seja um egoísta inteligente. A melhor forma de se dar bem é fazendo os outros felizes.

 

Fica a qui a expressão de um desejo e uma promessa: espero que o vídeo desse encontro fique disponível – esse é o desejo. E a promessa é de legendar ou ao menos transcrever a fala de Sua Santidade o Dalai Lama, que seguramente foi a parte mais importante mas que eu, infelizmente, não consegui registrar na íntegra.

~ Eric Jaffe

EQ rewire

Wlliam James não poderia ter imaginado um meio tão poderoso e penetrante quanto a Internet. O que ele de fato parecia saber, com uma clareza extraordinária para o seu tempo, era como a tecnologia da informação pode influenciar a cognição e o comportamento. Em sua obra The Principles of Psychology, 1890, James reconheceu que o nosso tecido nervoso possuía um “extraordinário grau de plasticidade” – ou seja, os estímulos externos podem alterar a própria estrutura do cérebro. Quando “agentes externos” inundam as nossas vias sensoriais e atingem o cérebro, eles deixam “caminhos que não desaparecem facilmente”, escreveu James. Em linha com o prognóstico de James, estudos recentes têm mostrado que o perfil cognitivo dos usuários de computador diferem do perfil dos que não são usuários.

James também entendia as desvantagens de uma atenção dispersa. Muito antes de as pessoas poderem navegar na Web enquanto escrevem mensagens de texto para um amigo, entre um e-mail e outro, James compreendeu os perigos de lidar com muitas tarefas cognitivas ao mesmo tempo. O número de “processos de concepção” em as pessoas podem se envolver ao mesmo tempo “não é facilmente mais de um, a não ser que os processos sejam muito habituais”, escreveu James em The Principles of Psychology. De fato, a pesquisa comportamental básica confirma que a multi-tarefa traz um grande custo cognitivo, e estudos feitos em situações reais demonstraram essas limitações em ação.

E, um século antes do advento do Google, James já havia entendido que a memorização de dados tem os seus limites naturais. Ser capaz de recordar um conhecimento quando necessário é ótimo, disse ele em Talks to Teachers on Psychology, mas a maior parte da educação consiste em aprender “onde podemos recuperá-lo”. Na verdade, disse James, o que distingue um advogado de um leigo não é tanto as informações armazenadas em sua cabeça, mas a capacidade de localizá-las externamente em um curto espaço de tempo. Certamente, a nova ciência comportamental sugere que as pessoas são hábeis em lembrar onde acessar informações no computador, mesmo quando o próprio fato lhes escapa.

Em suma, William James sabia ontem aquilo que um crescente corpo de pesquisa psicológica continua a revelar hoje: a de que a tecnologia pode mudar o nosso cérebro e, com isso, o nosso comportamento.

Artigo Original

Tradução livre de Jeanne Pilli